Precisa convencer? Então aprenda como escrever um texto argumentativo

P

Escrever é comunicar. É trocar informações com um determinado objetivo. Você pode querer registrar um momento, criar uma narrativa, defender um ponto de vista ou convencer alguém. Se você está aqui pelo último motivo, pode chegar: neste artigo falarei sobre como escrever um texto argumentativo.

O que é um texto argumentativo

O texto argumentativo é aquele em que o escritor utiliza uma série de citações, fontes, informações e argumentos para sustentar a ideia central.

Nele, o autor possui uma premissa pré-estabelecida (por exemplo, que escrever todos os dias é terapêutico) e, sem se aprofundar em pesquisas científicas ou teorias, ele reúne dados para defender a sua afirmação.

Essa premissa ou ideia central é chamada de tema.

Dadas as diferenças de extensão e forma, o texto argumentativo é um dos mais presentes nas nossas vidas e um dos que mais praticamos, já que aparece nas redações escolares, nas notícias e nas postagens para blogs.

De certa forma, os textos de vendas de produtos também são argumentativos – afinal, quem os escreve quer atrair compradores. Por isso, eles podem ser úteis também em postagens para redes sociais, onde a disputa por atenção é mais acirrada.

A principal característica do texto argumentativo é a clareza. Nele, o autor fala diretamente ao leitor, sem enfeitar nem dar voltas no assunto. Ao contrário do texto narrativo, em que se escreve em busca da estética literária, no texto argumentativo é preciso ir direto ao ponto – em especial quando o espaço para o desenvolvimento é limitado.

O texto argumentativo também tem um compromisso com os fatos. Para escrevê-lo, é preciso dominar bem o assunto do tema, sempre buscando entregar fontes confiáveis que embasem as afirmações feitas durante o seu desenvolvimento.

Com um pezinho na realidade e sem muitas divagações, é hora de pensarmos sobre sua estrutura.

Estrutura do texto argumentativo

O primeiro passo é apresentar o tema do texto. O escritor deve dizer, já no primeiro parágrafo, sobre o que o texto trata. É preciso ter em mente de que o leitor, na maioria das vezes, buscou o seu conteúdo para se informar sobre algo.

Feito isso, você precisa sustentar o seu tema. Utilize todos os dados que tiver em mãos para fazê-lo, sem perder o foco do assunto proposto. Uma das melhores formas de enriquecer o seu argumento é trazer afirmações de outras pessoas como respaldo. Assim, a argumentação sai do âmbito pessoal e se integra ao que já foi feito antes.

No entanto, cuidado: lembre-se que ao escrever um texto argumentativo você tem um compromisso com a verdade. De nada adianta sair inventando argumentos e fontes só para convencer. Muitas pessoas fazem isso, seja nos meios de comunicação ou na internet então, por favor, não seja uma delas.

Desenvolva seu texto com argumentos verídicos e ajude o seu leitor a refletir sobre o que é proposto. Seja para vender ou para explicar, nunca engane seu leitor.

No último parágrafo (ou últimos parágrafos), é hora de concluir o texto. Para tanto, é preciso voltar ao tema central e fazer uma espécie de resumo, emitindo ou não uma avaliação sobre o que foi argumentado.

O tom da escrita – pessoal ou impessoal, em primeira ou terceira pessoa – dependerá do objetivo do autor e da finalidade do texto argumentativo. Essa é uma escolha feita junto com a definição do tema.

Se for um tema baseado em uma experiência do escritor, é bem provável que o texto se torne mais pessoal. No entanto, se o tema for mais informativo e distante, a argumentação terá um tom impessoal.

Começando o argumento

Como já mencionei, é preciso ser claro e objetivo – e já na primeira frase do seu texto que a clareza deve estar presente. É no primeiro parágrafo que a atenção do leitor é capturada, garantindo o restante da leitura.

Eu particularmente não gosto de usar afirmações falaciosas ou encher a frase de adjetivos só para chamar a atenção, por isso, não espere de mim técnicas de persuasão ou clickbait.

Dito isso, o bom primeiro parágrafo capta a atenção do leitor não pelos seus exageros, mas porque apresenta o tema proposto de forma clara e ecoa tudo o que será tratado no desenvolvimento.

Para tanto, existem algumas formas de começar o texto argumentativo. Citações, dados históricos, declarações, perguntas, oposições e enumerações são os que melhor funcionam, na minha opinião.

Vejamos um exemplo de cada pensando no tema como escrever um texto argumentativo.


Citação

Já dizia o ensaísta francês Joseph Joubert: o objetivo da argumentação, ou da discussão, não deve ser a vitória, mas o progresso.

Dados históricos

Mesmo antes de Aristóteles produzir seu tratado sobre retórica, na Grécia Antiga, cada pessoa já buscava meios para defender os seus pontos de vista.

Declaração

Escrever é comunicar. É trocar informações com um determinado objetivo.

Pergunta

Quantas vezes você já tentou defender uma ideia enquanto escrevia e falhou?

Oposição

Certos dias, somos capazes de defender e desenvolver nosso argumento com facilidade, mas, em outros, transformamos o tema proposto em um emaranhado de caminhos sem saída.

Enumeração

Redações escolares, provas escritas, postagens para redes sociais, artigos para blogs, textos para divulgar o trabalho; em todos o autor precisa defender um argumento.

Seguindo em frente com o argumento

Elaborado o primeiro parágrafo, é hora de desenvolver o tema até o final. O leitor foi convencido a seguir em frente, com a promessa de que, no mínimo, terá uma nova visão sobre o tema proposto.

Por isso, o desenvolvimento é o momento de cumprir a promessa.

Entregue dados, referência, informações e reflexões acerca do assunto proposto. Não deixe seu leitor ir embora até que você conclua a sua mensagem.

A chave para um bom argumento é saber exatamente sobre o que você está escrevendo e ficar com o tema do início ao fim. Ter o tema claro e conciso na cabeça fará com que você encontre as melhores formas de defende-lo ao longo da escrita.

No entanto, mesmo criando o melhor desenvolvimento, nada garante que o leitor fique até o final. Quanto maior o texto, maior o risco de ser deixado pela metade.

Se você precisa que seu argumento seja absorvido logo de cara, lembre-se sempre de organizar as informações como no jornalismo: fale o que for mais importante logo no início.   

A arte de envolver o seu leitor

Todas as ferramentas de escrita têm por objetivo manter o leitor do início ao fim, seja entretendo-o, informando-o ou convencendo-o. Já que escrever é comunicar, é preciso ter um interlocutor – quem escreve – e um receptor – quem lê – para fazer a comunicação acontecer.

Se não houver troca, não há motivo para o texto existir.

Por isso, sempre que se sentar para escrever, lembre-se de escrever não apenas para si mesmo, mas também para o outro. Teça uma rede com as palavras, capaz de capturar o leitor e instiga-lo a saber cada vez mais sobre o tema proposto.

Sem reinventar a roda, não se preocupe em esgotar o assunto. Deixe o leitor entre satisfeito e com um gostinho de quero mais – assim, ele sempre voltará para ler o que você escreve.

Se você chegou até aqui, volte sempre! Entre para a Lista Secreta de Escritores e receba, quinzenalmente, uma newsletter recheada de sugestões de artigos, podcasts e notícias sobre literatura, quadrinhos, escrita e criatividade.


Sobre o autor

Mylle Silva

Mylle Silva é escritora, roteirista e professora de Escrita Criativa. Graduou-se em Comunicação Social pela PUCPR e dedica-se à escrita desde que se conhece por gente. Publicou o livro de contos A Sala de Banho (2014) e é roteirista das histórias em quadrinhos A Samurai (2015), A Samurai: Yorimichi (2016) e A Samurai: Primeira Batalha (2017).

Deixe o seu comentário

Deixe uma reflexão

Mylle Silva

Mylle Silva é escritora, roteirista e professora de Escrita Criativa. Graduou-se em Comunicação Social pela PUCPR e dedica-se à escrita desde que se conhece por gente. Publicou o livro de contos A Sala de Banho (2014) e é roteirista das histórias em quadrinhos A Samurai (2015), A Samurai: Yorimichi (2016) e A Samurai: Primeira Batalha (2017).