Aprenda como criar um personagem com personalidade forte para a sua história

A

Pense na última história que você leu, viu ou ouviu. Qual é o primeiro elemento que você se lembra dela? Tenho certeza de que sua resposta foi algum personagem com personalidade forte.

Personagens são como marcas dentro da narrativa. O que seria de Star Wars sem Luke Skywalker, de O Senhor dos Anéis sem Frodo Baggins ou de Dom Quixote sem… Dom Quixote?

Isso se deve ao fato dos personagens serem o centro de qualquer narrativa. É através deles que a ação acontece e a história ganha movimento. Eles são tão importantes que muitas vezes seu nome está até no título da história.

Portanto, para que sua narrativa seja lembrada pelos seus leitores, é importante reservar um tempo para conhecer seus personagens a fundo e torná-los memoráveis. 

Conheça seu personagem principal antes de começar a escrever

É quase impossível escrever sobre alguém que você ainda não conhece. Desconfie de quem diz “o personagem ganha vida enquanto escrevo”, porque essa afirmação é uma meia verdade.

Apesar do personagem de fato ganhar vida enquanto a história nasce, muitas vezes o escritor já o conhece boa parte das características que compõe o seu personagem de personalidade forte.

Ter uma personalidade forte não se restringe a força física, muito menos a características como teimosia ou persistência. Um personagem forte é marcante e consistente. Em outras palavras, ele é construído pelo escritor para ser lembrado.

Para que isso aconteça, o segredo é conhecer o seu personagem melhor do que ninguém antes de começar a escrever a sua narrativa.

Existe uma ferramenta essencial para te guiar nessa construção: a entrevista com o personagem. Trata-se de uma série de perguntas que te farão conhecer tudo sobre o personagem principal da narrativa que você está criando.

Para te ajudar nessa jornada, preparei o e-book Entrevista com o Personagem: 21 perguntas para fortalecer sua narrativa, um material essencial para clarificar valores, desejos, crenças e experiências do seu protagonista. Clique aqui ou no banner abaixo para baixá-lo gratuitamente.

Ebook entrevista com o personagem Oficina de Escrita

Este e-book tem o intuito de guiá-lo na identificação dos principais pontos dos seus personagens. Realize a entrevista para conhecê-lo a fundo e, em seguida, trabalhe para torná-lo memorável.       

Diferencie seu personagem com personalidade forte dos demais personagens

A partir desse ponto, você utilizará alguns conceitos teóricos da construção de narrativas que te ajudarão a classificar a importância de cada um dos personagens.

Basicamente existem dois tipos de personagens: 

  • Planos: de quem o escritor mostra apenas um ou dois traços da personalidade, tornando-os comuns e sem conteúdo.
  • Esféricos: a quem o escritor atribui várias funções e traços de personalidade, tornando-os complexo e memorável.

Voltemos ao exemplo de O Senhor dos Anéis. Você pode gostar muito do personagem Gimli, o anão da primeira trilogia do filme, mas não poderá negar que ele é um personagem plano, simples. 

Ele não demonstra grandes questões existenciais ou conflitos que exijam toda a atenção do espectador. Nesse caso, Gimli é secundário e existe para apoiar Frodo, o protagonista da narrativa.

Já Frodo, por sua vez, é complexo, marcante, um personagem com personalidade forte. Ele é esférico porque desempenha várias funções e tem muitas camadas reveladas ao espectador. 

Frodo é um hobbit do Condado, é fiel aos seus amigos, possui senso de justiça, é medroso e limitado, tem um bom coração que pode ser corrompido a qualquer momento pelo Um Anel e é imprevisível.

É esse conjunto de característica que torna Frodo o protagonista da narrativa. Sem Frodo, não teríamos O Senhor dos Anéis – ao menos não como J.R.R. Tolkien decidiu contá-lo ao mundo.

Essa diferenciação se dá por um motivo básico: porque desde o início da narrativa o espectador sabe o que Frodo quer e qual conflito ele terá que enfrentar para atingir seu objetivo. 

Deixe claro o objetivo e o conflito do seu personagem principal

Agora as informações obtidas através da entrevista com o personagem se tornam ainda mais úteis. Ao conhecer traços como visão política, religião, nível de escolaridade, relações com os pais e sexualidade, será muito mais fácil definir qual é o objetivo do seu personagem.

Porém, uma narrativa não é construída apenas com base em desejos. Todos escrevemos e consumimos histórias sobre personagens que enfrentam desafios na tentativa de alcançar seus objetivos.

Se sua história não possui conflito, pare de escrevê-la agora; se continuar ela será, no mínimo, chata.

Que história haveria para contar se Frodo pudesse se tornar o guardião do Um Anel apenas guardando-o no fundo de uma gaveta? Ele não teria atingido seu objetivo de viver uma vida de paz?

Portanto, o que torna um personagem memorável é a soma do conflito com a forma como ele enfrenta os desafios em busca do seu objetivo.

Se você não souber o que o seu personagem quer e nem o que ele precisará enfrentar para conseguir o que quer, o seu leitor também não saberá. 

Como escritor, sua função é saber tudo sobre o seu personagem, mesmo que a maioria dessas informações seja irrelevante para a narrativa.

Por exemplo, faz diferença para a história de O Senhor dos Anéis saber como foi a infância de Frodo? Para o leitor não faz diferença, mas em algum momento J.R.R. Tolkien pode ter pensado na relação de Frodo com os pais para determinar a personalidade forte do personagem que conhecemos.

Assim, além de conhecer muito bem o seu personagem, você terá que determinar quando, onde e o que contará sobre ele ao seu leitor.   

Apresente seu personagem principal ao leitor logo no início da história

O primeiro parágrafo da sua história é um dos mais importantes de todo o texto. Para conquistar o seu leitor já nas primeiras palavras, você precisa apresentar o seu personagem principal, onde ele está e dar dicas sobre o que ele quer e o que o impede de conseguir o que quer.

Em outras palavras, é no primeiro parágrafo que você apresentará o tema da sua história. Aproveite o momento para deixar claro ao seu leitor sobre quem e o que você está falando. 

Voltemos a O Senhor dos Anéis. O filme A Sociedade do Anel, o primeiro da trilogia, começa com um prólogo de mais de seis minutos de duração falando sobre o Um Anel. Esse prólogo dá o tom sombrio e épico da narrativa, revelando ao espectador muito do que ele pode esperar se continuar assistindo. 

Assim que o prólogo termina, o espectador é levado para uma floresta de verde vibrante com o título do filme aparecendo pela primeira vez e adivinha que está embaixo de uma árvore, lendo? Frodo Baggins. 

O corte para a floresta seguido do título é uma forma de dizer ao espectador “agora você já sabe tudo o que precisa, preste atenção nesse personagem; é a história dele que eu vou contar”.

Na sua narrativa funciona da mesma forma. Você tem pouco tempo para cativar o leitor, então seja o mais direto possível no início e mostre que vale a pena acompanhar o personagem com personalidade forte que você criou.

Indicações de leitura sobre construção de personagens

A jornada do escritor, de Christopher Vogler 

O livro de cabeceira para quem quer aprender sobre Arquétipos e Jornada do Herói. Com linguagem acessível e análises de filmes clássicos, como Pulp Fiction e O Rei Leão, é uma leitura de referência e que te ajudará muito a compreender como as narrativas atuais funcionam.

Escrever ficção, de Luiz Antonio de Assis Brasil

Este livro reúne a experiência de mais de 30 anos do autor ministrando oficinas de criação literária no Brasil. Com linguagem acessível, é uma leitura completa para quem quer se tornar contista ou romancista, com exemplos literários tanto nacionais quanto internacionais. O segundo capítulo é dedicado aos personagens – mas o livro é tão bom que você não resistirá em devorá-lo por completo.

A personagem de ficção, de Antonio Candido

Antonio Candido é um dos teóricos brasileiros de referência em literatura. O livro possui linguagem técnica e é indicado para quem quer aprofundar seus conhecimentos em análise literária, já que aborda toda a base teórica necessária para analisar funções e classificações dos personagens.

Um personagem com personalidade forte é aquele que fica gravado na memória do seu leitor

Escrever histórias nada mais é do que organizar um conjunto de informações com o objetivo de guiar o seu leitor. Para isso, é essencial conhecer o seu personagem antes de começar a escrever a narrativa.

O primeiro passo é entrevistar o seu personagem. Para isso, você pode baixar o ebook gratuito Entrevista com o Personagem: 21 perguntas para fortalecer a sua narrativa e  sair entrevistando todos os personagens que habitam sua mente hoje mesmo.

Em seguida, deixe claro o mais cedo possível quem é o seu protagonista, o que ele quer e o que precisará enfrentar para conseguir o que quer. Utilize tudo o que você descobriu na entrevista para criar um personagem esférico, marcante e com personalidade forte.

Por fim, com todas essas anotações em mãos, é só começar a trabalhar na sua narrativa.

Boa escrita! 

Quer se tornar um escritor melhor? Então junte-se aos mais de 1000 assinantes da newsletter OdE e receba no seu e-mail artigos educativos sobre escrita criativa, leitura e criatividade.

Deixe uma reflexão

Quem escreve sobre escrita

Mylle Silva

É escritora, roteirista de histórias em quadrinhos e instrutora de escrita criativa. Formada em Comunicação Social, ministra oficinas e ajuda pessoas a transformar ideias em histórias e sonhos em projetos.

Artigos